quarta-feira, 11 de março de 2009

Liga dos Campeões...da Inglaterra?


Não é novidade para ninguém a hegemonia dos clubes ingleses no futebol europeu e, por tabela, mundial. Se na virada do milênio quem dominavam eram os espanhóis - no caso, o Real Madrid -, que tiveram até final doméstica (Real 3x0 Valência, em 2000), e se a Itália teve um período dourado entre 85 e 96, com cinco títulos em dois anos, a impressão que se tem é que os ingleses conquistarão o terceiro troféu em cinco temporadas - e se tornarão o país com mais triunfos da história da Liga dos Campeões.

Desde 2004-05, a Inglaterra tem um representante na decisão. No ano passado, fez apenas a terceira final doméstica da história da UCL. E agora, assim como fez en 2007/08, coloca seus quatro representantes nas quartas-de-final - em 2006/07 foram três, pois o Arsenal caiu nas oitavas ante o PSV.

Não dá para colocar apenas o poder econômico como responsável pela hegemonia. O Real Madrid tem muito mais dinheiro e gasta bem mais que os concorrentes, mas não consegue montar times decentes e parou pelo QUINTO ano consecutivo nas oitavas.

Os times ingleses desenvolveram um jogo compacto, altamente competitivo e envolvente. Nada de chuveirinho ou passes laterais. O que vale é a movimentação, MUITA velocidade, entrega e a disciplina tática.

O preço que se paga é o fato de o Liverpool ter apresentado em campo mais espanhóis que o próprio Real Madrid. Enquanto isso, a seleção nacional não chega a uma semifinal de uma Euro desde 1996, quando foi sede, e de uma Copa desde 1990. Mas se tivermos novamente três ingleses entre os quatro semifinalistas, parece ter valido a pena.

Desempenho na UCL por país

Itália - 11 títulos / 14 vices
Espanha - 11 títulos / 9 vices
Inglaterra - 11 títulos / 5 vices
Alemanha - 6 títulos / 7 vices
Holanda - 6 títulos / 2 vices
Portugal - 4 títulos / 5 vices
França - 1 título / 5 vices

2 comentários:

Bob disse...

Ola amigo, obrigado por responder.
Bom ja linkei seus dois blogs no nosso.

Jornalismo Esporte Club

Febre Futebolistica

aguardo você linkar o nosso, para dar aquela força, pois estamos começando.Um abraço.

http://futebolmundial-arte.blogspot.com/

Filipe Lima disse...

Como dizia no Orkut. Acho, sim, que o dinheiro ajuda -- e muito! -- no diferencial inglês.

O exemplo do Real é válido, mas injusto. É fato que, nos últimos tempos, o Real é um dos piores compradores do futebol europeu.

No caso dos quatro dominadores da Inglaterra, eles têm o dinheiro e compram bem. Uma diferença básica para comparação.

Como você citou, o estilo de jogo inglês, realmente, é mais vistoso que o do resto da Europa. Mas ele só foi possível pelas contratações de grandes astros estrangeiros -- e isso, sem dinheiro, dificilmente ocorreria.

Ainda prefiro esperar uns anos para saber se isso será suficiente para estabelecer uma hegemonia inglesa na Europa. Porque obstáculos virão.

O osbtáculo que a Espanha teve (os erros grotescos de compra do Real) e o da Itália (o envelhecimento dos elencos) vieram e os times não souberam ultrapassá-los.

Não sei dizer qual será o dos clubes ingleses. Mas eles chegarão, mais cedo ou mais tarde. Basta saber se, ao contrário de espanhóis e italianos, os ingleses conseguirão ultrapassá-los e manter o domínio.

Belo texto. Análise muito boa.

Abraços!