quinta-feira, 15 de julho de 2010

Retrospectiva da Copa - Primeira fase (Grupos E-H)

Seguimos com a nossa retrospectiva da Copa, hoje com os quatro grupos que faltam:

Grupo E








Jogos

14/06 - Holanda 2x0 Dinamarca (Agger (c), Kuyt)
14/06 - Japão 1x0 Camarões (Honda)
19/06 - Holanda 1x0 Japão (Sneijder)
19/06 - Camarões 1x2 Dinamarca (Eto'o / Bendtner, Rommedahl)
24/06 - Camarões 1x2 Holanda (Eto'o / Van Persie, Huntelaar)
24/06 - Dinamarca 1x3 Japão (Tomasson / Honda, Endo e Okazaki)

Melhor jogador:Wesley Sneijder (HOL)
Pior jogador: Assou Ekotto (CAM)
Artilheiro: Keisuke Honda (JAP) e Samuel Eto'o (CAM) - 2 gols
Momento inesquecível: A grande jogada de Honda no terceiro gol japonês sobre a Dinamarca.
Momento esquecível: O gol contra dinamarquês a favor da Holanda.

Antes da Copa, o Grupo E era o que aparentava ter o equilíbrio de forças mais bem dividido: Holanda amplamente superior, Dinamarca forte, Camarões dependendo de Eto'o e Japão saco de pancadas. Uma chave "9-6-3-0", em que não há empates e zebras. De fato, foi o único grupo a não registrar empates, mas os resultados foram diferentes do imaginado.

A Holanda venceu seus três jogos com tranqulidade, sem levar sustos, mas mostrou um futebol diferente do das Eliminatórias e amistosos: menos força ofensiva, mais marcação e contra-ataque. O Japão, sim é que foi a surpresa. Vindo de resultados pífios nos amistosos preparatórios, o time de Takeshi Okada demonstrou um ótimo posicionamento defensivo, saída rápida nos contragolpes e muita habilidade de Honda, Endo e Okubo. O time foi forte na bola parada (marcou três vezes assim) e fez uma grande partida contra a Dinamarca, configurando-se na maior surpresa da primeira fase.

Dinamarca e Camarões, por sua vez, apresentaram um futebol pobre em ideias. Os dinamarqueses, com um time envelhecido, apostaram nos contra-ataques puxados por Rommedahl e os camaroneses sofreram com a péssima ideia de Paul Le Guen, escalando Eto'o como ponta direita, assim como jogou na Inter nesta temporada. O time africano, aliás, foi o primeiro a ser eliminado da Copa, com a derrota na segunda rodada.

Grupo F








Jogos

14/06 - Itália 1x1 Paraguai (De Rossi / Alcaraz)
15/06 - Nova Zelândia 1x1 Eslováquia (Reid / Vittek)
20/06 - Eslováquia 0x2 Paraguai (Vera, Riveros)
20/06 - Itália 1x1 Nova Zelândia (Iaquinta / Smeltz)
24/06 - Eslováquia 3x2 Itália (Vittek (2), Kopunek / Di Natale, Quagliarella)
24/06 - Paraguai 0x0 Nova Zelândia

Melhor jogador: Antolín Alcaraz (PAR)
Pior jogador: Alberto Gilardino (ITA)
Artilheiro: Robert Vittek (SVK) - 3 gols
Momento inesquecível: Os últimos minutos de Eslováquia 3x2 Itália, com os italianos sendo eliminados e chorando em campo.
Momento esquecível: Paraguai 0x0 Nova Zelândia, o pior jogo da Copa.

Após o sorteio, todos falavam que este era o grupo mais fácil que a Itália poderia conseguir. E este foi o problema: para a Itália, nada pode ser fácil demais. Com um time envelhecido e pobre em criatividade, os italianos sofreram o vexame de sua pior campanha na história dos Mundiais, terminando na lanterna da chave sem conquistar nenhuma vitória, e até mesmo empatando com a Nova Zelândia.

Os neozelandeses, aliás, mostraram que não há, de fato, mais bobo no mundo do futebol e terminaram como a única equipe invicta dentre as 32: foi eliminada honrosamente com três empates, mostrando um futebol taticamente bem resolvido e até muito desenvolvido para o nível do esporte no país.

A classificação paraguaia não foi nenhuma surpresa: o time de Gerardo Martino reviveu a tradição de boas defesas guaranís e soube explorar as falhas dos adversários. A Eslováquia, por sua vez, era um time que prometia um futebol talentoso, comandada por Hamsik. Contudo, enquanto tentou se defender, nas duas primeiras partidas, jogou muito mal. Foi somente contra a Itália, em uma partida épica, que a equipe rendeu o que podia, fez jogadas de velocidade pelos lados do campo e construiu uma vitória sólida - e uma classificação merecida.

Grupo G








Jogos

15/06 - Costa do Marfim 0x0 Portugal
15/06 - Brasil 2x1 Coreia do Norte (Maicon, Elano / Ji Yun-Nam)
20/06 - Brasil 3x1 Costa do Marfim (Luís Fabiano (2), Elano / Drogba)
21/06 - Portugal 7x0 Coreia do Norte (Tiago (2), R. Meireles, Simão, Ronaldo, H. Almeida, Liedson)
25/06 - Portugal 0x0 Brasil
25/06 - Coreia do Norte 0x3 Costa do Marfim (Y. Touré, Romaric, Kalou)

Melhor jogador: Maicon (BRA)
Pior jogador: Ri Myong-Guk (COR)
Artilheiros: Tiago (POR), Luís Fabiano e Elano (BRA) - 2 gols
Momento inesquecível: Jong Tae-Se chorando na execução do hino norte-coreano.
Momento esquecível: Kaká sendo expulso por Dunga insistir em não tirá-lo de campo.

Quando uma coisa começa mal, não pode terminar bem. O Brasil parou na forte marcação norte-coreana e na sua falta de criatividade na estreia, e conseguiu a proeza de sofrer um gol dos asiáticos. A vitória de 2 a 1 foi quase vexatória, após os triunfos de 7 a 0 e 3 a 0 de portugueses e marfinenses. O futebol da seleção até melhorou contra os africanos, e Luís Fabiano fez um gol antológico com "a mão de Nossa Senhora", mas na partida contra Portugal o Brasil foi dominado e Felipe Melo mostrou o que estava por vir: muito destempero e falta de capacidade de reação.

Na briga pela segunda vaga, portugueses e marfinenses fizeram um jogo duro e sem muitas oportunidades. A classificação acabou decidida no saldo de gols, com vantagem para o time de Carlos Queiroz, que encaixou um segundo tempo perfeito contra a Coreia do Norte e fez 7 a 0 - os marfinenses, apesar de demonstrarem o futebol mais ofensivo entre os africanos, fez 'apenas' 3 a 0.

A Coreia do Norte, apesar das derrotas e da última colocação na Copa, saiu de cabeça erguida: fez jogo duro com o Brasil (até marcou gol) e mostrou não ter medo nenhum de ser defensiva - jogou num pouco usual 5-3-2. Jong Tae-Se provou ser realmente acima da média de seus companheiros e deve beliscar alguma transferência neste mercado europeu.

Grupo H








Jogos

16/06 - Honduras 0x1 Chile (Beausejour)
16/06 - Espanha 0x1 Suíça(Fernandes)
21/06 - Chile 1x0 Suíça(Mark González)
21/06 - Espanha 2x0 Honduras (David Villa (2))
25/06 - Chile 1x2 Espanha (Millar / David Villa, Iniesta)
25/06 - Suíça 0x0 Honduras

Melhor jogador: David Villa (ESP)
Pior jogador: Valon Behrami (SUI)
Artilheiro: David Villa (ESP) - 3 gols
Momento inesquecível: A zebra suíça, derrotando a Espanha na primeira rodada.
Momento esquecível: Expulsão de Behrami, aos 30 minutos do primeiro tempo do jogo contra o Chile.

Invencibilidade, melhor futebol do planeta e grande favorita ao título. Pipoqueira, amarelona, não corresponde em torneios de ponta. Escolha qualquer uma destas imagens da Espanha: as duas estiveram presentas na África do Sul. Um time que cansa de tocar a bola no campo adversário pareceu sofrer da eterna síndrome ao perder para a Suíça na estreia, naquela que foi certamente a maior zebra desta Copa. Contudo, a derrota foi importante para mostrar os erros e para desviar a atenção do time de Del Bosque, de quem passou-se a esperar um pouco menos - e que, talvez exatamente por isso, tenha chegado onde chegou.

A Espanha se recuperou com vitórias tranquilas, ainda que pouco convincentes, sobre Honduras e Chile. Os chilenos, aliás, foram uma das sensações da primeira fase: escalados por Marcelo Bielsa num ousado 3-4-3, partiram para cima dos três adversários, sempre com velocidade e toque de bola envolvente. Deu certo contra Honduras e Suíça, mas as vitórias magras por pouco não custaram a merecida classificação às oitavas de final.

A vaga veio porque a Suíça, assim como a Grécia, tinha medo de atacar (curiosamente, ambas estavam no mesmo grupo das Eliminatórias, e a Suíça venceu os dois jogos - ou seja, as duas sabem sim fazer gols) e, depois de vencer a Espanha, tentou segurar um empate ou sair no contra-ataque contra o Chile para praticamente assegurar a classificação. Veio a derrota e a necessidade de partir para cima de Honduras na última rodada. Por pouco, não foram os hondurenhos que fizeram o gol e a festa. Este foi o grupo com menos gols marcados - apenas 8 em 6 jogos, ainda que as partidas tenham sido mais interessantes que outras.

Resumo da primeira fase

101 gols em 48 jogos - média de 2,1 gols
Artilheiros: David Villa (ESP), Robert Vittek (SVK) e Higuain (ARG) - 3 gols
Placares mais comuns: 1x0 (13), 2x1 (7), 0x0, 1x1, 2x0 (6)
Placares menos comuns: 3x2, 4x0, 4x1, 7x0 (1)

Maior goleada:
Portugal 7x0 Coreia do Norte (Grupo G)
Melhor jogo: Eslováquia 3x2 Itália
Pior jogo: Paraguai 0x0 Nova Zelândia

Melhor ataque:
Argentina e Portugal (7 gols)
Pior ataque: Argélia e Honduras (0 gol)
Melhor defesa: Uruguai (0 gol)
Pior defesa: Coreia do Norte (12 gols)

Melhor jogador:
Landon Donovan (EUA)
Pior jogador: Faouzi Chaouchi (ALG)

Melhor árbitro: Ravshan Irmatov (UZB) - África do Sul 1x1 México; Inglaterra 0x0 ARgélia; Argentina 2x0 Grécia
Pior árbitro: Sthépane Lannoy (FRA) - Holanda 2x0 Dinamarca; Brasil 3x1 Costa do Marfim

Um comentário:

Thiago. disse...

Você tem um blog parecido com o meu.

http://www.futebol285.blogspot.com/

Muito 10 o seu trabalho.